Dedico este blog à minha filha Thais, meu eterno amor, que partiu muito cedo para um lindo lugar... no outro lado da vida ..!!!

Seguidores

domingo, 14 de maio de 2017

A morte não é a maior perda da vida

                                       "A morte não é a maior perda da vida. 
        A maior perda vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos."
                                                        - Pablo Picasso

É realmente muito triste quando morre uma flor em nosso jardim, ainda mais
se aquela flor tiver um significado e importância profundos para nós. Mas, é por vezes, mais triste, quando nosso abatimento pela perda daquela flor refletir em descuido com todas as outras flores que ainda estão exuberantes em nosso quintal.

Muitas vezes quando perdemos algo ou alguém, quando nossas expectativas são frustradas, quando sentimos que fracassamos em nosso propósito, passamos a acreditar que a vida terminou, e optamos por continuar apenas sobrevivendo. Nossa postura muda e decai, nosso coração enrijece e passamos a ver a nós mesmos como vegetais ou zumbis ambulantes que aguardam ansiosamente pelo encerramento do contrato de experiências na Terra.

Quando a tristeza começa a te consumir, quando teu mundo passa a ser sempre acinzentado, quando a esperança esvai-se por entre os dedos, isso significa que a morte chegou. E realmente, não há nada mais terrível do que ser morto em vida. Não há nada mais triste do que olhar as tantas outras flores exóticas que ainda habitam o teu jardim, e os outros tantos botões promissores que ainda estão a nascer, sem um pingo de entusiasmo.

Morrer significa que uma fase terminou e outra nova se iniciará. A morte física significa a transição de um estado para o outro, não significa o fim. O que acontece é que muitas vezes temos a dificuldade absurda em aceitar que algo ou alguém mudou de estado e que não voltará mais a ser como era. Temos dificuldade em aceitar as transições da vida e com isso temos a sensação de que estamos enterrados em um terreno baldio e à parte do mundo.

Como bem sabemos, aquilo que acreditamos passa ser uma realidade para nós, portanto, não importa se nossos corações continuam batendo e se o sangue permanece em constante movimento em nosso corpo, se acreditamos que estamos mortos: estamos mortos mesmo!

Dê uma olhada em sua vida e pergunte-se:

-Estou vivo ou morto?
-Estou vivendo ou sobrevivendo?  

Será que você parou no tempo e está mesmo só esperando a morte chegar? Será que você desistiu de cuidar do jardim em função da morte de apenas uma única flor?

Se assim for, será que não está na hora de olhar ao teu redor e perceber a beleza e a vida que ainda pulsa, vibra e colore tua paisagem interior?

Nem tudo está perdido. Muitos céus e terras, e muitas estradas ricas em aventuras e aprendizados te esperam ali na esquina. Um mundo de possibilidades está bem diante de teus olhos, onde a felicidade, a alegria, a beleza e a esperança ainda imperam como senhoras soberanas.

Basta acordar do sonho e abrir os olhos. Quando você fizer isso, perceberá que as flores que antes desabrochavam com elegância e confiança, agora estão murchando inseguras de seu futuro...

Você parou de dar-lhes o cuidado necessário, e agora elas é que estão a morrer. Você poderia se achar sem valor e utilidade, mas garanto que se realmente estiver disposto a perscrutar o território ao seu redor, verá que sem você a existência não é mais a mesma. Nada neste mundo vive isoladamente, existe uma interdependência que conecta todas as coisas, de modo que se você desistir afetará tudo e todos que estão ao seu redor.

Não deixe que a vida morra dentro de você !

Faça uma boa análise, medite profundamente e remova as ervas daninhas de teu quintal, a final de contas o jardim precisa de você para florir... e existem muito mais motivos para viver antes da verdadeira mudança de estado chegar.

A morte é uma passagem inevitável, mas a vida é um presente inestimável..!


Por: Fernanda Luongo

13 comentários:

  1. Ilca, querida, devemos refletir muito sobre esse texto. Não só em relação à perda de entes queridos, mas a todas as perdas. E na vida física estamos sempre a perder e a acrescentar. Porém, acabamos dando mais atenção às perdas, as coisas desagradáveis, do que ao que a vida nos presenteia. É necessário aprendermos a valorizar cada coisa, cada mudança, cada ganho e ver as perdas como aprendizado. Muita paz!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite querida amiga Ilca!
    Nesta vida somos colecionadores de perdas e sabemos o quanto elas nos atropelam e nos enrijecem. Não fomos educados para elas e sendo assim, sempre que elas batem à nossa porta, sentimos o mundo ruir e desabamos mesmos.Há quem até se revolta com o Deus, os santos de devoção, comportamentos que vivi e vi muitas vezes. É o momento da pessoa diante da perda e devemos respeitar. É tempo de deixar que a dor faça sua visita, mas sempre buscar a superação e o entendimento que somos finitos. Buscar na religiosidade um conforto, uma condição de afago para o coração, pois que a vida não pára diante nossa dor e com muita resignação vamos aceitando que todos temos um tempo aqui e não há logica para o desprendimento deste plano. Eu convivi desde muito cedo com as perdas, que me rondavam de todos os lados e creio, que esta convivência muito cedo me fez mais desapegado e resignado, para buscar aceitar as perdas como um processo irreversível e natural, mas me permito o tempo da dor pois ela é minha.
    Gosto destas reflexões sobre a morte, porque adoro viver e quero sempre incentivar e motivar as pessoas a viverem cada segundo, cada emoção pois que nosso coração vibra com estes momentos.
    Que a semana esteja boa e leve e assim um pouco alegre vamos nesta jornada.
    Carinhoso abraço e beijo no coração.
    Deus esteja conosco e nos ilumine e promova a paz no coração.
    Grato sempre amiga.

    ResponderExcluir
  3. A morte vem para todos, muitos nem se dão conta, não aproveitam, nem olham para o céu...mas vem um dia vai chegar,então vamos encarar e ter a certeza que o espirito é eterno! bj

    ResponderExcluir
  4. Que grande sabedoria nestas palavras! O apego às pessoas está longe de significar amor...quem ama, sabe que a ligação do amor é eterna, e a separação momentânea. E deixa livre...para que a pessoa possa "ir brincar de outra coisa", como dizia a saudosa Elke Maravilha. Sofrer pelos que se foram, longe de ajudá-los, ainda prejudica aos que ficaram. Somos espíritos em roupa de carne...saibamos ser espíritos nas mínimas coisas de nosso dia a dia, assim o medo da morte e da dor tomam as proporções devidas...
    Um carinhoso abraço!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  5. Olá, querida Ilca!

    Encontrei seu blogue, casualmente e depois estive lendo alguns posts.

    Embora não seja mãe, entendo sua dor, ou melhor, acho que entendo, pke a proporção é tal, que não dá pra medir em palavras.

    O texto de Fernanda Luongo é mto bonito e encorajador e para QUEM SOFRE PERDAS, ele aconchega, ou melhor, faz acreditar e viver.

    Não tenho certezas acerca desses assuntos, mas fique com meu carinho e amizade sincera.

    Beijos e dias de mta luz e vida.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Ilca,
    Palavras sábias, das quais muitas vezes nem nos damos conta.
    Que Deus reconforte o seu coração e lhe continue a dar toda a coragem.
    Um beijinho no seu coração.
    Muita paz!
    Ailime

    ResponderExcluir
  7. Palavras para refletir.
    Bom texto.
    Como não morrer por dentro a respeito de coisas que nos acontecem.
    Boa continuação de semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Ilca...penso que os sentimentos que nos salvam são o Amor e a Fé.
    são com eles que podemos nos equilibrar no delicado processo de viver no mundo material e manter o espírito equilibrado.
    Um abraço



















    ResponderExcluir
  9. Maravilhosa reflexão nesse texto lindo,Ilca! Ótimo fds pra ti e tuuuuuuuuudo de bom,bjs, chica

    ResponderExcluir
  10. Olá Ilca,
    Mais que um texto...uma lição de vida!
    Palavras sábias e inteligentes...
    Muita gente precisava ler essa
    maravilha de reflexão.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. ¡Hola, Ilca!!!

    Que maravilla de texto, amiga: el autor tiene una gran sabiduría y nos enseña a vivir dignamente, aún con nuestras dificultades y grandes dolores de alma que llevamos a cuestas.
    Es un sabio que hace que, las heridas del alma se regeneren y podamos vivir alegres.
    Mil gracias y mi felicitación para el autor; y para ti por traer tan importante escrito a tu bello rincón
    Un abrazo, reina, y mi gratitud por tu huella.

    Feliz semana.

    ResponderExcluir
  12. Olá, é muito difícil encarar e aceitar a morte de quem amamos, a vida nem sempre ou quase sempre não é justa, mas temos que aceitar a vida como ela é.
    O texto partilhado é uma lição para pensar.
    Feliz semana,
    AG

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...